E era assim que ELE se expressava na tentativa de perceber o que Ele próprio não encontrava no SEU caminho.

Nesta caminhada da Cura, é incrível perceber que nós, trazemos a doença para Nós de um modo quase “inocente”, pois não nos atrevemos a “olhar para dentro”. Ninguém nos ensinou que olhar para dentro é o caminho de sentir para escutar o corpo!!! O corpo fala tanto connosco… até que grita… por isso repara, o corpo é o mapa que nos pode orientar no caminho da cura. Eu adoeço, logo eu tenho também a capacidade de me curar.

Por vezes nas consultas é mencionada a frase “ohhhh eu tento, mas tem a luta interna do meu anjinho que me tenta ajudar e o meu diabinho que me tira do bom caminho”, somos muito bons a procurar os “culpados” ou a justificar as nossas ações para mitigar a angustia de não nos posicionarmos no trilho do nosso resgate.

Na verdade, temos estas duas vozes internas se as quisermos entender assim, eu gosto de as olhar desde o lugar da plena presença! O nosso diálogo interno é intenso entre o EU QUE SABE e o EU QUE SENTE

O EU QUE SABE, está cheio de crenças, vive de conceitos e preconceitos que são altamente manipuladores, enraizados na memória coletiva. Alimenta-se do modo automático em que a humanidade se encontra, percorrendo a velha estrada já percorrida por gerações como um estado de letargia. Este EU QUE SABE, sabe das estórias contadas na família, na comunidade, sabe dos bancos da escola, dos velhos livros e arquivos e sabe do adquirido por um lugar, um país…

Já o EU QUE SENTE, ele faz TE sentir por ressonância com a tua Alma, faz TE vibrar por dentro, brilhar por fora… está a desafiar-TE para viveres, para TE arriscares a SERES TU.

O EU QUE SABE, está apenas preocupado com a tua sobrevivência… Não importa em que estado estás a sobreviver, e se permaneces em modo automático.

O EU QUE SENTE, quer que sejas feliz, que te respeites e te permitas a voar. Quer que te faça sentido, TUDO o que te proponhas a viver.

Trazemos demasiados medos enraizados e precisamos de validações buscamos fora sem escutar dentro, abraçamos a dor porque não sabemos ainda abraçar o amor.

Iniciamos agora um caminho de abraçar a curiosidade e a curiosidade é um mergulho para o propósito do sentir.

Bora SENTIR???!!! Se te fizer SENTIR faz SENTIDO!

       Olivia M. Dias

Se te faz sentir… faz sentido!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Voltar ao topo